inumatopeia #5 – sombras simiescas: reflexos primatas

Inumatopeia é um ciclo de conversas com as pesquisadoras e pesquisadores do Inuma. Na quinta edição, vamos conversar com o psicólogo e historiador da ciência Rubén Gómez Soriano, que apresenta a comunicação “Sombras simiescas: reflexos primatas”.

Coordenação: Ugo Maia e Beto Vianna

Debatedora: Juliana Fausto

Dia 21/11, a partir das 14h, no canal do Inuma no YouTube.

Link do inumatopeia #5: https://youtu.be/u7ReImqKFek

Inscrição com certificação da UFS: https://www.sigaa.ufs.br/sigaa/public/home.jsf. (em “Extensão”, no menu à esquerda).

Resumo da conferência

Ao longo deste trabalho analisei o papel desempenhado pelos macacos antropoides como elementos de identidade e alteridade da subjetividade moderna, desenvolvida, fundamentalmente, a partir do século XVI, e em áreas muito diversas, mas interligadas. Nesse sentido, minha pesquisa se detém em desvendar: (a) a importância da terminologia com a qual esses primatas foram designados, tornando visíveis as continuidades e descontinuidades com nossa espécie, em um contexto colonial; (b) o papel desempenhado pelas viagens transoceânicas, que trouxeram os primeiros encontros e representações de macacos antropoides, a partir do sec. XVI, numa troca de saberes; (c) como, na alvorada e curso do sec. XVIII, o desenvolvimento da anatomia comparada e das classificações taxonômicas, ligadas ao estudo dos símios antropoides, produziu e questionou a ideia de ser humano; (d) a relação entre macacos antropoides, a circulação do conhecimento, o ideal feminino e a escravidão no sec. XVIII; (e) o papel central que esses animais ocupavam dentro das teses transformistas e evolucionistas, desde o sec. XIX; (f) racismo científico e colonialismo articulados em torno da figura do macaco, especialmente do gorila; e (g) como o filme King Kong pode ser entendido como uma condensação complexa e contraditória do papel desempenhado por esses animais como figuras de identidade/alteridade para a conformação da subjetividade moderna. O trabalho termina com uma coda, que é uma espécie de fechamento, mas também uma abertura para desdobramentos futuros.

Sobre o conferencista

Rubén Gómez Soriano é doutor pela Universidad Nacional de Educación a Distancia no programa Diversidade, Subjetividade e Socialização. Realiza estudos em Antropologia Social, História da Psicologia e Educação, é professor-tutor da UNED e professor-consultor da Universitat Oberta de Catalunya. O seu trabalho de investigação centra-se na área da Primatologia e da História da Psicologia Comparada numa perspectiva que combina a História da Ciência de sensibilidade genealógica, os Estudos Sociais da Ciência e Tecnologia, os Estudos Culturais e os Estudos Críticos. Algumas de suas contribuições neste campo são o capítulo escrito em conjunto com Beto Vianna, “Demasiado mono: Versiones occidentales de los grandes símios” (Tecnogénesis. La construcción técnica de las ecologías humanas, 2008, ed. Tomás Sánchez-Criado) e o artigo “Mucho más que el ‘Einsicht’ De Köhler: La aportación de Leonard T. Hobhouse a la Psicología Comparada” (Revista de Historia de la Psicología, 2016, 37(4), 27-34). 34).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s